Melhores Sites De Apostas

GRAND PRIX DE VÔLEI: BRASIL SOFRE E AGORA DECIDE VAGA EM CASA

Foto: Divulgação FIVB

Seleção equilibra duelo contra o Japão, mas perde por 3 sets a 2 em Sendai

Lutando contra o desgaste físico, a torcida e a famosa defesa do Japão, o Brasil não resistiu à seleção oriental e perdeu para as japonesas neste domingo (16), no jogo de encerramento da segunda semana do Grand Prix, a principal competição anual entre seleções no vôlei feminino. O duelo foi realizado na Kamei Arena, na cidade de Sendai, no Japão, e contou com parciais de 25/22, 26/24, 19/25, 20/25 e 17/15.

A vitória nipônica foi uma considerável surpresa, segundo o Bet365. O triunfo devolveu R$ 3,75 a cada R$ 1,00 investido, o que fez este quinto set realmente atingir altas pulsações nas primeiras horas de domingo. O Brasil retornava R$ 1,75/R$ 1,00, mantendo seu padrão de gigante do vôlei feminino, embora a atual edição esteja sendo marcada por certa inconstância das comandadas por José Roberto Guimarães.

DOMÍNIO EUROPEU

Diferentemente das outras edições, as seleções que ocupam as primeiras colocações neste Grand Prix vêm da Europa. A Sérvia tem a melhor campanha, com 12 pontos, seguida por Holanda, Estados Unidos, Itália e Japão. O Brasil atualmente é o sexto.

O aproveitamento verde-amarelo até aqui é de 50%. Foram seis jogos, com três vitórias e três derrotas. A deste domingo para o Japão ocorreu graças à mão pesada da atacante Shinnabe Risa, responsável por 22 pontos – quase um set inteiro. Os destaques brasileiros foram Rosamaria (19) e Tandara (17 pontos).

Temos que parabenizar o Japão pela vitória. Elas jogaram muito bem os dois primeiros sets e mantiveram uma concentração alta no tie-break, que foi equilibrado”, analisou o técnico José Roberto Guimarães. Fica a dica para quem investir no Japão nas próximas partidas: a equipe é realmente um primor de concentração e constância.

O QUE VALE RESSALTAR

A partida contra o Japão foi equilibrada como poucos esperavam. O Brasil contou com bons ataques da ponteira Natália, especialmente no primeiro set, terminado com vitória japonesa por 25/22. O duelo seguiu parelho na segunda parcial, quando o Japão se viu pressionado, mas acabou esbanjando calma para chegar ao 26/24.

O Brasil demonstrou garra ao resistir a um difícil terceiro set, o melhor da ponteira Rosamaria. A partida teve empate até o 17/17, mas, no fim, uma sequência de ataques decretou o 25/19 brasileiro. O quarto set foi quase uma cópia, embora com maior folga do Brasil do meio em diante: 25/20.

Provando que o vôlei feminino é um esporte de detalhes, o tie-break foi de possibilidades bem abertas até o 9/9. Foi quando o Japão aproveitou um longo rally para fazer a diferença, abrir um 13/11 e resistir às investidas do Brasil para obter o 17/15 que coroou uma enorme partida de ambas as seleções.

O QUE VEM POR AÍ

O Brasil agora viaja para Cuiabá (Mato Grosso), para a terceira semana do Grand Prix. As três seleções que o Brasil terá diante de si serão Bélgica, Holanda e Estados Unidos.

A seleção abre sua participação na quinta-feira (20), às 14h05, contra a Bélgica. A sexta-feira será a vez de enfrentar a Holanda, com o duelo frente aos Estados Unidos fechando a semana no domingo (23).

ENTENDA O SISTEMA DE DISPUTA

São 12, as seleções que participam do Grand Prix. Na fase de classificação, a cada semana, são compostos três grupos com quatro seleções – a definição das equipes é feita por sorteio.

A fase classificatória termina com as cinco equipes mais bem classificadas passando à Fase Final, que contará ainda com a China, país-sede, de 2 a 6 de agosto, em Nanjing.

O QUE ESPERAR DO BRASIL?
Atual campeão do Grand Prix, o país luta pelo 12º título da competição, e o fato de ainda não estar garantido para a Fase Final é um indício de que a seleção será muito forte em Cuiabá.

Na primeira semana, na Turquia, o Brasil venceu Bélgica e Turquia, e foi batido pela Sérvia. A grande surpresa estava reservada para a segunda semana, no Japão. Além de perder para as nipônicas no tie-break, o Brasil foi derrotado também pela Tailândia por 3 sets a 0. Isso dá outra mostra de como a seleção de José Roberto Guimarães tende a ser tratada e exigida como favorita em Cuiabá. A derrota para a Tailândia representou devolução de R$ 9,66 a cada R$ 1,00, segundo o Bet365. O Brasil retornaria apenas 3%, com um R$ 1,03/R$ 1,00.

É de se imaginar uma cotação do tipo contra a Bélgica - com o favoritismo menor, na casa dos R$ 2,00, contra Holanda e Estados Unidos. Depois de uma emocionante Liga Mundial em Curitiba, o Grand Prix em Cuiabá será mesmo imperdível para quem acompanha vôlei.

Comments