Melhores Sites De Apostas
*Termos e condições se aplicam a todos os bônus oferecidos neste website. Visite a operadora para mais detalhes.

Possibilidade de Michelle Obama ou Andrew Cuomo disputar Presidência dos EUA com Donald Trump agita mercado de apostas

Michelle Obama
AP Photo/Hau Dinh

Principal nome dos Democratas até o momento, Joe Biden flerta com ex-primeira dama para ser sua vice; Cuomo cresce em popularidade por sua atuação em NY contra a Covid

Nem a pandemia da Covid-19 é capaz de arrefecer o ímpeto dos candidatos e potenciais postulantes ao cargo de presidente da nação mais poderosa do mundo. O atual mandatário dos Estados Unidos, Donald Trump, aguarda com ansiedade o seu adversário nas eleições do dia 03 de novembro deste ano.

No momento, o democrata Joe Biden surge como nome mais forte, mas desafiantes de peso, como Michelle Obama e Andrew Cuomo, governador de Nova York, podem causar uma enorme reviravolta no panorama político norte-americano. Os odds já estão prontos para você depositar sua aposta na urna do Bodog.

Eleição presidencial dos EUA: Trump versus quem?

As primárias seguem a todo vapor nos EUA. Apesar de a presença de Trump no pleito, para tentar a releição, ser considerada certa, o partido Republicano realiza eventos de campanha com outros candidatos, mas quase 100% dos delegados estão com o atual presidente. Ex-governador de Massachusetts, Bill Weld segue na disputa, o que faz sua tentativa parecer um Brancaleone, em referência ao filme de Mario Monicelli. Não à toa, o Bodog oferece a cota de R$ 151 por 1, se Weld for indicado pelos republicanos para concorrer à Presidência.

Mas é do lado Democrata que as coisas estão quentes e até certo ponto imprevisíveis. Bernie Sanders, ligado à ala de esquerda do partido e um velho conhecido dos eleitores, abriu mão da candidatura. A desistência de Sanders abriu caminho para Joe Biden, vice-presidente na gestão de Barack Obama, assumir a dianteira.

Aliás, o mercado de apostas trata a presença de Biden nas eleições como barbada, em um investimento com margem de resgate de R$ 1,15 sobre cada real, segundo o Bodog. Recentemente, ele recebeu mais um apoio de peso: Hillary Clinton, ex-primeira dama e candidata democrata derrotada por Donald Trump.

Michele Obama e Andrew Cuomo: fator surpresa nas eleições 2020 dos EUA?

O caminho até a convenção do partido Democrata, prevista para acontecer entre os dias 13 e 16 de julho, pode reservar cenários que poderiam mudar as chances de uma provável reeleição de Donald Trump. Um nome que pode sacudir a disputa é o de Andrew Cuomo. Além de opositor ferrenho de Trump, o governador de Nova York tem recebido críticas positivas com relação à sua liderança na luta contra o novo coronavírus.

A popularidade de Cuomo saltou de 43%, antes da Covid-19, para impressionantes 71%. Hoje, existem duas apostas com relação a ele. A primeira diz respeito a ser o candidato democrata, que pagaria R$ 15 por 1 – se ele decidir participar da convenção, este número certamente sofrerá alteração; portanto, aproveite. Se Andrew Cuomo for eleito presidente dos EUA, a cota passa para R$ 31,00 por R$ 1.

E se Michelle Obama decidir, de última hora, entrar no páreo? Seria outro terremoto eleitoral na Terra do Tio Sam. Na imprensa, o que se fala é da intenção de Joe Biden em tê-la como vice. De bate-pronto, Valerie Jarrett, ex-assessora sênior da Casa Branca na gestão Obama, rechaçou tal possibilidade. Porém, ainda mais na política, nada é impossível. Logo, o Bodog traz duas possibilidades de apostas sobre Michele:

  • Candidata democrata: R$ 41,00 por 1
  • Presidente eleita dos EUA: R$ 101,00 por 1

Resumo dos principais odds do Bodog nas eleições presidenciais dos Estados Unidos

Para ser eleito presidente dos EUA:

  • Donald Trump: R$ 1,83 por 1
  • Joe Biden: R$ 2,35 por 1
  • Andrew Cuomo: R$ 31,00 por 1
  • Mike Pence: R$ 61,00 por 1
  • Michelle Obama: R$ 101,00 por 1

Partido vencedor:

  • Democratas: R$ 1,95 por 1
  • Republicanos: R$ 1,80 por 1

Candidato do partido Democrata:

  • Joe Biden: R$ 1,15 por 1
  • Andrew Cuomo: R$ 15,00 por 1
  • Michelle Obama: R$ 41,00 por 1

 

04/01/2020

Autora: Karen Soarele

As consequências do ataque letal ao líder iraniano ordenado pelo presidente americano

O ataque letal ao líder Qassem Soleimaini, ordenado pelo presidente Donad Trump nesta quinta-feira, 2 de janeiro, está sendo acompanhado pelo mundo entre receios de aumentar os conflitos no Oriente Médio ou de até mesmo de desencadear em uma Terceira Guerra Mundial. Recentemente, Donald Trump teve o inicio de seu processo de Impeachment aceito pela Câmara dos Deputados e aguarda o julgamento do Senado Americano em pleno ano eleitoral. Qual será o futuro de Donald Trump e da presidência dos Estados Unidos? Abaixo um resumo dos últimos acontecimentos e odds do Bodog para a corrida eleitoral.

A morte de Qassem Soleimani pelo governo americano

O presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou um ataque que resultou na morte de Qassem Soleimani, militar de alto escalão do Irã, e ao menos mais seis pessoas por meio de uma base militar americana no Iraque. A ação imediatamente ganhou atenção internacional pelo risco de iminente escalada nos conflitos do Oriente Médio, já que Soleimani era considerado um herói nacional.

O governo americano justificou o ataque afirmando ter evidências que Soleimani e o governo iraniano planejavam ataques a diversas bases militares dos EUA no Oriente Médio, sendo portanto um ataque defensivo que visava salvar a vida de americanos. O Irã, por outro lado, afirma que o ataque foi retaliação a invasões ocorridas na Embaixada Americana no Iraque, pelas quais Trump culpou o governo iraniano, que negou envolvimento. O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, assim como o presidente Hassan Rouhani prometeram vingança.

As possíveis consequências internacionais

A preocupação mais urgente com relação aos ataques, é que o Iraque se torne palco de batalha entre os EUA e o Irã e possíveis aliados. Não por acaso, a Embaixada Americana em Bagdá, capital iraquiana, pediu que todos os americanos que estejam no país saiam de lá o mais rápido possível, por via aérea ou terrestre. Tal consequência aumentaria a instabilidade na região, sob ocupação do governo americano desde a Guerra do Iraque onde as tropas dos EUA derrubaram o ditador Saddam Hussein em 2003.

A internet brasileira foi inundada por memes e postagens demonstrando preocupação de que a atitude de Trump escale para um conflito internacional de grandes proporções, como uma Terceira Guerra Mundial. De acordo com apuração do UOL, especialistas afirmam que isso só ocorreria de fato caso grandes potências bélicas como China, Rússia ou Europa se envolvessem no conflito do lado do Irã, o que é pouco provavel dada a pouca força política do país.

O atual estado da administração Trump

Donald Trump teve seu processo de Impeachment aprovado pela Câmara dos Deputados dos EUA por abuso de poder ao pressionar o governo ucraniano a investigar Joe Biden, principal nome dentre os possíveis candidatos Democratas a presidência, e de proibir pessoas ligadas a ele de prestar depoimentos na câmara.

De acordo com as leis americanas, agora o processo deverá ser julgado pelo Senado. A Câmara dos Deputados tem maioria de representantes do Partido Democrata, oposição à Trump, enquanto o Senado possui em sua maioria políticos do Partido Republicano, o mesmo do presidente. 

Como um processo de Impeachment exigiria uma votação de 2/3 a favor do mandato e não há qualquer sinal de que a maioria Republicana votará contra Trump, é pouco provável que haja um Impeachment. Com os acontecimentos recentes, alega-se que um ato de guerra sem aprovação prévia do Congresso Americano também poderia ser considerado motivo para Impeachment, o que pode complicar a situação de Trump após a ordem de atacar o militar iraniano.

Apesar de ser um presidente bastante divisivo, de acordo com a BBC, durante a administração Trump os índices das bolsas de valores subiu a níveis recordes, e da mesma forma, a taxa de desemprego é a menor nas últimas cinco décadas, tornando assim pouco provável que o presidente perca o apoio de alguns grupos chaves da população. Não por acaso, os odds para que Trump se reeleja estão a 1.833 pelo Bodog, o que significa um tímido lucro de R$ 1,833 para cada R$ 1,00 investido.

Odds do governo Eleição Presidencial dos EUA 2020 pelo Bodog

Partido Vencedor
  • Partido Democrata (oposição): 1.952
  • Partido Republicano (situação): 1.80
Vencedor das Eleições Presidenciais 2020
  • Donald Trump: 1.833
  • Joe Biden: 6.00
  • Bernie Sanders: 8.00
  • Elizabeth Warren: 13.00
  • Pete Buttigieg: 13.00
  • Michael Bloomberg: 19.00
  • Andrew Yang: 26.00
  • Hillary Clinton: 36.00
  • Amy Klobuchar: 51.00
  • Mike Pence: 61.00
  • Michelle Obama: 101.00
  • Nikki Haley: 101.00
  • Tulsi Gabbard: 101.00
  • Deval Patrick: 151.00
  • Mitt Romney: 151.00
  • Cory Booker: 251.00
  • Howard Schultz: 251.00
  • John Kasich: 251.00
  • Mark Cuban: 251.00
  • Tammy Duckworth: 251.00
  • Tom Steyer: 251.00
  • Trey Gowdy: 251.00
  • William (Bill): Weld 251.00
  • Jeb Bush: 301.00
  • Marco Rubio: 301.00
  • Marianne Williamson: 301.00
  • Ted Cruz: 301.00
  • Tim Kaine: 301.00
  • Kanye West: 1001.00
Cantidato Democrata
  • Joe Biden: 3.00
  • Bernie Sanders: 4.00
  • Elizabeth Warren: 5.50
  • Pete Buttigieg: 7.00
  • Michael Bloomberg: 11.00
  • Andrew Yang: 17.00
  • Hillary Clinton: 17.00
  • Amy Klobuchar: 31.00
  • Michelle Obama: 51.00
  • Tulsi Gabbard: 67.00
  • Deval Patrick: 81.00
  • Tom Steyer: 126.00
  • Andrew Cuomo: 151.00
  • Cory Booker: 151.00
  • John Delaney: 151.00
  • Stacey Abrams: 151.00
  • Michael Bennet: 201.00
  • Robby Wells: 201.00
  • Julian Castro: 251.00
Candidato Republicano
  • Donald Trump: 1.10
  • Mike Pence: 15.00
  • Nikki Haley: 15.00
  • Mitt Romney: 26.00
  • Ben Sasse: 51.00
  • John Kasich: 51.00
  • Paul Ryan: 51.00
  • William (Bill) Weld: 81.00
  • Rand Paul: 101.00