Odds Shark melhores apostas esportivas

Eleições 2022: pesquisas colocam Bolsonaro e Lula na frente para presidente do Brasil

AP Photo

Quem ganha a eleição? Entenda como andam as pesquisas e como você pode apostar em quem será o novo presidente do Brasil

Falta pouco mais de um ano para as eleições presidenciais no país e o cenário da disputa começa a se desenhar de maneira mais clara. Dentre os possíveis candidatos, temos uma grande disputa entre os eleitores em potencial do atual presidente Jair Messias Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ambos são nomes fortes, mas também tem dificuldades ligadas aos seus nomes. Por outro lado, temos outras opções mais lucrativas e que podem se mostrar surpreendentes. 

A seguir, vamos apresentar números que representam o cenário atual e te ensinar como você pode faturar uma bolada ao apostar em quem pode chegar à presidência do Brasil a partir de janeiro de 2023, com odds do BumBet. Estão prontos?

Os Melhores Sites de Apostas

Como funcionam as apostas?

Odds são cotações dadas a determinado jogo, ou seja, de forma simples elas designam as probabilidades de um determinado evento ocorrer. No caso das apostas das Eleições, a cotação funciona da seguinte maneira: quanto menores forem os odds, mais as chances do candidato ganhar a presidência. O número também revela o retorno de dinheiro investido em cada aposta.

Caso você queira apostar em Jair Messias Bolsonaro, o atual presidente do país, acreditando que ele conseguirá conquistar uma reeleição, ou em Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente, seus odds aparecem na casa de apostas BumBet a 1.87, ou seja, para cada R$ 1 apostado, você ganha R$ 1,87 caso um deles vença.

No entanto, caso o apresentador de TV e empresário Luciano Huck, cuja candidatura ainda é incerta, decidir se candidatar e você acreditar que ele possa ser a surpresa da corrida eleitoral, dá pra faturar uma bolada, já que seus odds estão a 23.00. Em termos práticos, seu prêmio se multiplica por vinte e três, um valor espetacular. É uma escolha entre segurança e lucro.

Bolsonaro e Lula: os favoritos

Os dois principais representantes de espectros políticos distintos aparecem empatados, ambos com odds a 1.87. Para entender o porquê deste número, é preciso de uma breve contextualização do momento político atual do Brasil.

Jair Bolsonaro atualmente governa o país, que passa por uma crise sanitária sem precedentes devido à Covid-19 e uma crise econômica que não se iniciou hoje, mas que acabou agravada por conta da pandemia. Embora venha perdendo popularidade, sua base de apoiadores oscila em torno de 1/3 da população, o que lhe dá estofo para uma disputa eleitoral.

Lula, que já foi presidente duas vezes entre 2003 e 2010, traz como legado essas administrações exitosas, mas também escândalos de corrupção e condenações em instâncias jurídicas. No entanto, agora em 2021, essas condenações foram anuladas após julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), o que o tornou mais uma vez elegível.

Enquanto Bolsonaro precisa lidar com a cobrança crescente da população por ações eficazes para a diminuição do impacto da pandemia, como acelerar a ampla vacinação dos brasileiros contra a Covid-19 e melhorar os índices da economia, Lula carrega as expectativas dos opositores ao governo da situação, mas também precisa lidar com a rejeição por parte da população, devido às condenações, ainda que anuladas.

Uma movimentação feita tanto por Lula quanto por Bolsonaro é o aceno a políticos e grupos de centro. O favoritismo de um deles pode depender de quem conseguir se aproximar desses grupos com mais eficiência.

Sergio Moro e Ciro Gomes: alternativas

As duas principais alternativas a Bolsonaro e Lula precisam se apresentar como opções viáveis para grande parte da população que, em tempos de crise, talvez busque nomes mais seguros e experiêntes. A vantagem que Sergio Moro tem é por ser uma figura bem conhecida pelos brasileiros por estar à frente, na época em que era juiz, da Operação Lava-Jato, um dos maiores movimentos do judiciário brasileiro contra esquemas de corrupção. A pedra no sapato do ex-juiz é a recente decisão do STF, que põe em suspeita sua atuação nos casos que condenaram Lula por crimes de corrupção.

Já Ciro Gomes precisa expandir sua base de eleitores, que chegou a 12% dos votos da última eleição em 2018, buscando aglutinar ao seu redor forças progressistas, mas também de centro. Sergio Moro, em contrapartida, pode acabar atraindo uma parcela dos eleitores mais conservadores que estejam insatisfeitos com os rumos do governo de Bolsonaro — do qual já fez parte como Ministro da Justiça.

Apostar em Sergio Moro parece ser mais seguro no momento, com odds a 13.00, mas quem quiser se arriscar e projetar a vitória de Ciro Gomes pode levar uma boa grana, já que seus odds a 19.00 renderiam um lucro de R$ 19,00 a cada real investido no BumBet.

Luciano Huck, João Doria e João Amoêdo

Outros nomes que aparecem na disputa: os empresários Luciano Huck, atualmente apresentador da Rede Globo, e João Doria, atual governador do estado de São Paulo. Luciano já deu mostras de ter interesse em entrar na arena política, sendo especulado, inclusive, nas eleições de 2018. O que talvez pese nessa equação seja sua escolha difícil entre largar a segurança de seu status de apresentador Global ou perseguir suas ambições políticas. A exposição semanal na TV ao longo dos 20 anos pode ser um ótimo recurso para chegar a uma eleição como rosto novo, mas já velho conhecido do público, que nutre carinho por Huck. Uma eventual vitória de Huck à presidência pode render R$ 23 a cada real apostado, de acordo com o BumBet.

João Doria traz como seu principal legado a entrega da vacina Coronavac, feita em parceria entre o instituto chinês Sinovac e o brasileiro Butantan. Em uma disputa política e midiática com Bolsonaro para mostrar à população quem apresentaria soluções rápidas a um problema urgente como a pandemia, Doria pode obter vantagem e crescer entre o eleitorado com essa vitória, já que a Coronavac surge sob a tutela do Butantan, que é gerido pelo governo estadual paulista.

No fim da lista, está o banqueiro João Amoêdo, que concorreu em 2018 a presidente, recebendo 2,5% dos votos do eleitorado brasileiro. Sua perspectiva de gestão moldada nos princípios do liberalismo pode atrair eleitores do espectro mais conservador, além de políticos de centro e talvez oferecer um resultado melhor em 2022, caso ele se candidate novamente.

Quem vence as eleições para a Presidência da República em 2022, com odds do BumBet:

  • Jair Messias Bolsonaro: 1.87
  • Luiz Inácio "Lula" Da Silva: 1.87
  • Sergio Fernando Moro: 13.00
  • Ciro Ferreira Gomes: 19.00
  • Luciano Grostein Huck: 23.00
  • João Agripino Da Costa Doria Júnior: 31.00
  • João Dionisio Filgueira Barreto Amoêdo: 31.00